Cancelar
Acesso CNTV

Primeiros corpos já foram liberados

27Fev

Em ) - 18 30 30%

O Centro de Perícias Científicas Renato Chaves finalizou, ontem, as análises de DNA das vítimas do acidente aéreo em Cametá, no qual morreram os quatro ocupantes da aeronave. Os familiares foram informados e orientados sobre o procedimento de liberação dos corpos, que começou a ser feito ontem mesmo. Cinco peritos do setor de DNA do Instituto de Criminalística (IC), responsável pelas perícias de genética forense, trabalharam revezando-se em escala de plantão, para dar uma resposta, no menor tempo possível, aos familiares das vítimas, informou a assessoria de imprensa do CPC Renato Chaves.

À tarde, foram liberados os corpos dos seguranças Beminedson Monteiro Barbosa e Antônio Maria da Cunha. Eles trabalhavam na empresa Prosegur, especializada no transporte de valores. O corpo do piloto Eduardo da Silva Campos será liberado hoje e o do copiloto Carlos Eduardo Arruda Broca, na segunda-feira, pois a família dele mora no Rio de Janeiro. O corpo de Beminedson será sepultado na manhã de hoje, em um cemitério de Marituba. Já o enterro de Antônio Maria acontecerá, no domingo, no município de Muaná, na ilha do Marajó.

O acidente em Cametá aconteceu no dia 16 deste mês. O bimotor modelo Baron explodiu, por volta das 9h30, após decolar do aeroporto de Cametá. O Baron decolou depois que os seguranças entregaram malotes de dinheiro na agência do Banco do Brasil do município. O próximo destino era a capital paraense. O aparelho chegou a fazer um sobrevoo na cidade por alguns minutos, retornando em seguida para o aeroporto, onde, suspeita-se, o piloto pousaria novamente, para que o avião fosse consertado. O pouso, entretanto, acabou não acontecendo e a aeronave se chocou contra o chão a cerca de um quilômetro da cabeceira da pista, depois de bater em árvores no meio da mata.

No momento, o I Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa I) apura as causas desse acidente. Segundo a tenente Alessandra Lewek, do Seripa I, os investigadores estão examinando o motor da aeronave. Ela acrescentou que a investigação de um acidente aéreo leva de um ano a 18 meses para ser finalizado. E que são investigados vários fatores: material, erro humano, e problema operacional. Para os investigadores, não há uma "causa" para um acidente aéreo, mas, sim, "fatores contribuintes".

Ao final da investigação, informou ainda a tenente, será elaborado um relatório com recomendações de segurança de voo com o objetivo de prevenir a ocorrência de novos acidentes aeronáuticos. A tenente explicou ainda que todo o trabalho de investigação é sigiloso, mas o relatório final é publicado no site do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) - www.cenipa.aer.mil.br - e poderá ser acessado por qualquer pessoa.

0 comentários para "Primeiros corpos já foram liberados"
Deixar um novo comentário

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.Mínimo de 70 caracteres, por favor, nos explique melhor.