Cancelar
Acesso CNTV

ABC: Região tem três vigias para cada PM

10Abr

Para cada policial militar no Grande ABC há média de três vigilantes contratados para fazer ronda em bairros. São cerca de 4.000 policiais, contra 13.189 seguranças sindicalizados, de acordo com de acordo com Sesvesp (Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica, Serviços de Escolta e Cursos de Formação do Estado de São Paulo).

O número de profissionais em atuação nas sete cidades é bem maior, já que o setor tem forte presença de trabalhadores informais, principalmente em bairros de moradores de menor poder aquisitivo.

Ter mais vigilantes que policiais não é realizado apenas da região. No Estado, são cerca de 100 mil homens da Polícia Militar contra 167 mil empregados da área, segundo o Sesvesp.

Para moradores de bairros residenciais visados pelos criminosos, a contratação desse tipo de serviço é essencial para garantir a segurança. No entanto, segundo especialistas, a medida não evita os crimes. "Em certos casos, eles (os vigilantes) podem até complicar a situação", afirma José Vicente da Silva Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública. "É um efeito ilusório. O segurança particular pode tornar um local menos visado, mas são todos mal preparados para agir em ambientes públicos", completou.

O consultor João Fernando Cardozo, que presta serviços para algumas das 16 empresas do setor que atuam no Grande ABC, diz que é necessário planejamento, antes do vigilante iniciar o seu trabalho. "O primeiro passo é saber quem são as pessoas que estamos protegendo e quais são os riscos que o local oferece. Fazemos ainda mapeamento para traçar como devemos agir e identificar os pontos vulneráveis."

A Polícia Militar diz que não há diálogo com as empresas de segurança, seja para orientação dos vigias ou traçar planos conjuntos de atuação. "É preciso tomar cuidado. Muita gente vê esses seguranças na porta de casa como se tivesse um policial", disse o comandante interino da região, tenente-coronel José Belantoni Filho.

Para Cardozo, não há interferência dos vigias no trabalho da Polícia Militar. "Tanto que a orientação é chamar a 190 quando há ocorrência em andamento.".

Belantoni avalia que o melhor modo de coibir a atuação criminosa é intensificar um bom relacionamento entre os vizinhos. "Há a colaboração dos vigias para inibir os bandidos, mas sempre é bom alertar um vizinho quando a casa ficar vazia", completou.

Funcionário não deve trabalhar armado, alerta consultor

Números do Ministério da Justiça mostram que um terço das armas usadas por vigilantes particulares tem destino incerto. No Estado, do estoque presumido de cerca de 90 mil revólveres e pistolas dessas empresas, cerca de 30 mil foram parar em mãos indevidas. É o principal argumentos para que a categoria não atue armada quando cuida de bens patrimoniais.

"Ele está exposto na rua e pode se tornar alvo se portar arma. Não adianta nada", defende o consultor João Fernando Cardozo. "O treinamento que os vigias recebem é muito restrito para poderem atuar dessa forma", avalia José Vicente da Silva Filho.

Não há lei que proíba vigilantes de trabalharem armados, desde que possuam porte de arma. Se dispararem, caberá à polícia a investigação para saber os motivos do ato.


Vigia particular pode custar até R$ 260

Moradores de bairros nobres dizem pagar quantia mensal para suprir ausência da polícia



Rafael Ribeiro



Bairro formado por residências de alto poder aquisitivo, o Jardim São Caetano, em São Caetano, conta com rede de cerca de 20 vigilantes motorizados que se revezam na patrulha 24h das 27 ruas do local e suas cerca de 720 casas. Cada morador paga R$ 260 mensais. E os planos são de aumentar a proteção com instalações de câmeras de vigilância. Precisa de tanto? Para os moradores, sim.

"Não fossem eles, não daria nem para a gente entrar e sair de casa", disse Gilberto Covatti, 46 anos, há um ano no local. A rotina é essa. Toda vez ao chegar, moradores ligam para a central da SAB (Sociedade Amigos do Bairro) Jardim São Caetano) e são escoltados até a residência.

"As pessoas aqui acham que a segurança não é importante. Exibem carros importados e roupas de grife e se isolam, nem pagam a mensalidade", disse a professora Danute Satkunas, 63, há 34 no local. Apenas metade dos moradores paga a quantia cobrada.

"Essa segurança é necessária devido à demanda. Toda criação de serviço de vigilância é em função da necessidade dos moradores", disse um dos funcionários. Ele reconhece que, quem não paga, recebe atenção menor. "Estamos aqui para todos, mas os pagantes tem rondas mais constantes."

A necessidade também é vista em outros bairros de alto poder aquisitivo, como o Parque dos Pássaros e Swiss Park, em São Bernardo, e Jardim, em Santo André, onde são oferecidos serviços semelhantes, com pequenas variações de preços.

Até bairros de classe média, como Assunção, Baeta Neves e Rudge Ramos, todos em São Bernardo, que já têm motociclistas fazendo vigilância noturna por R$ 40 mensais, já estudam forma de profissionalizar a proteção. Consegs (Conselhos de Segurança) vêm discutindo a implantação de modelo mais próximo dos vizinhos ricos para coibir a violência.

"Vamos ter de adotar medidas mais eficazes de intimidar os bandidos. Os roubos vêm aumentando consideravelmente. A polícia não está mais dando conta", disse o comerciante João Pereira Fonseca, 49 anos, morador do Assunção. Todos relatam casos ocorridos em casas vizinhas e não foram diretamente vítimas da violência.

A argumentação da Polícia Militar é que a sensação de medo da população é "importada". Ou seja, tem conhecimentos de crimes ocorridos em outras ruas, bairros e cidades e fica com a sensação de que é algo próximo dela. "Ao saber de ocorrências, é natural a pessoa passar a ter medo, mesmo sabendo que isso pode não acontecer com ela", disse o comandante interino da Polícia Militar no Grande ABC, tenente-coronel José Belantoni Filho.

As estatísticas da corporação mostram que as explicações são válidas. Números de fevereiro, o último balanço disponível, mostram que, em comparação ao mesmo mês no ano passado, os índices de roubo caíram 22%, furtos gerais tiveram redução de 31% e de veículos diminuíram 17% na região. "Não é porque há grande número de seguranças que aquele bairro pode ser estar menos suscetível a atividades criminosas", completou Belantoni.

Para o diretor de empresa de consultoria em vigilância, João Fernando Cardozo,é preciso diferenciar as práticas. "Oferecemos segurança preventiva, de auxílio aos moradores. A segurança ostensiva, de combate ao crime, é de responsabilidade do Estado", disse.

0 comentários para "ABC: Região tem três vigias para cada PM"
Deixar um novo comentário

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.

Um valor é necessário.Mínimo de 70 caracteres, por favor, nos explique melhor.