Por: CNTV | Confederação Nacional de Vigilantes & Prestadores de Serviços
Postado: 23/07/2014
Vigilante morre após ser esfaqueado por pedinte em shopping de Goiânia
 

Um vigilante do Araguaia Shopping, de 21 anos, morreu após ser esfaqueado por um homem que pedia esmolas a passageiros do terminal rodoviário integrado ao estabelecimento, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, o suspeito, de 30 anos, abordava quem estava no local e a vítima, acompanhada de outro guarda, decidiu encaminha-lo à sala de segurança do comércio.

“Eles não verificaram que o autor, que estava aparentemente embriagado, estava com uma faca e, no percurso, o autor atingiu a vítima no pescoço”, informou ao G1 a delegada responsável pelo caso, Flávia Andrade, da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH).

O crime ocorreu por volta das 22h de terça-feira (22). O outro guarda que acompanhava o suspeito não foi atingido. O Corpo de Bombeiros chegou a socorrer e encaminhar a vítima ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). No entanto, o vigilante não resistiu aos ferimentos e morreu por volta de 1h desta quarta-feira (23).

Conforme relatou a delegada, os guardas não estavam armados, pois portavam apenas cassetete. Após esfaquear o vigilante, o homem fugiu. O colega de trabalho da vítima acionou a Polícia Militar, que deteve o suspeito nas redondezas do shopping, na Avenida Goiás Norte.

A PM informou que o homem já tinha duas passagens pela polícia por furto e três por roubo. Encaminhado à DIH, ele foi autuado em flagrante por homicídio doloso. De acordo com a delegada, o suspeito pode ser condenado a até 16 anos de prisão.

Em nota, o  Araguaia Shopping lamentou o ocorrido. A assessoria informou ainda que "o shopping está dando todo suporte necessário à família do colaborador e está à disposição da Polícia Civil para colaborar com as investigações".

Fonte: G1

 

Fala CNTV

                A Confederação Nacional dos Vigilantes lamenta a morte do companheiro e presta as mais sinceras condolências à família neste momento de dor.

                É por casos infelizes como este que a CNTV continua lutando por melhorias para a atividade exercida por estes bravos companheiros. Já foi conquistado o adicional de 30% de risco de vida/periculosidade e agora está na luta, junto com vigilantes de todo o país, pelo piso nacional de R$ 3 mil. Uma profissão que coloca em risco permanente a vida de quem a exerce deve ter remuneração correspondente a isto.