Por: CNTV | Confederação Nacional de Vigilantes & Prestadores de Serviços
Postado: 27/09/2012
Bancos privados e BB retomam trabalho; na Caixa, greve continua
Fim da greve dos bancários
 
Sindicatos aceitam proposta de reajuste salarial de 7,5% e encerram paralisação iniciada no dia 18 deste mês

Bancários queriam inicialmente aumento de 10,25% e piso salarial de R$ 2.416, entre outros pedidos

Os bancários das instituições privadas -exceto os do Ceará e de cidades do interior gaúcho- e do Banco do Brasil (na maioria dos Estados) aprovaram o fim da greve na noite de ontem e devem voltar ao trabalho hoje na maior parte do país.

Os funcionários de todos os bancos do Ceará e do BB e da Caixa em alguns Estados rejeitaram a oferta e ficarão em greve por tempo indeterminado (leia a lista completa em folha.com/no1159747).

Na maior parte do país, a paralisação, iniciada no dia 18 deste mês, chegou ao fim com uma nova proposta da Federação Nacional dos Bancos, que elevou para 7,5% o reajuste salarial da categoria (aumento real de 2%).

Os funcionários deflagraram a greve depois de rejeitarem a proposta anterior dos bancos, de 6% de reajuste sobre todas as verbas salariais.

Os bancários reivindicavam reajuste de 10,25% (5% de aumento real), além de piso salarial de R$ 2.416,38, participação de lucros de três salários mais R$ 4.961,25 fixos, elevação para R$ 622 nos valores do auxílio-refeição, entre outros pedidos.

A oferta dos bancos era de reajuste linear de 6% (0,58% acima da inflação), elevado posteriormente para 7,5%. Incluía ainda ampliar as concessões em relação a benefícios e pisos salariais.

A greve chegou a atingir 42% das agências e das centros administrativos em todo o país no quarto dia de greve.