Por: CNTV | Confederação Nacional de Vigilantes & Prestadores de Serviços
Postado: 26/03/2020
Supermercado é a salvação do setor de segurança privada - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS
Aumento de 20% na demanda desse segmento de clientes ajudou a equilibrar as finanças - CREDITO: CAMP
 
Com o novo coronavírus, que freia a economia mundial, o setor da segurança privada foi salvo pelos supermercados, mantidos de portas abertas durante a pandemia. O aumento superior a 20% na demanda desse segmento de clientes ajudou a equilibrar as finanças diante do cancelamento de eventos e festas.
 
“Antes, o trabalho era mais de vigilância patrimonial. Agora também tem o serviço de orientação dos clientes, contenção. As pessoas estavam chegando correndo ao supermercado”, afirma o diretor-geral da empresa Mega Segurança, o major da reserva Arquimedes Gonzaga Gonçalves.
 
Em tempos de coronavírus, os seguranças organizam a fila e cuidam do espaçamento entre as pessoas, nunca inferior a um metro. Também houve mais procura pelo serviço por proprietários de postos de combustíveis, mas em menor escala.
 
“A empresa deu treinamento e orientação. A segurança privada é atividade essencial. Temos 200 colaboradores e até agora não tivemos nenhum problema de contágio. Graças a Deus ninguém está com sintomas”, afirma o diretor da empresa.
 
De acordo com ele, foram afastados funcionários com dengue, doença que também é epidêmica em Mato Grosso do Sul. Já festas e eventos, outro ramo importante para a segurança privada, teve paralisia total.
 
“Trabalhamos com formaturas, casamentos e eventos sociais em Campo Grande e no interior. O corte foi geral. Tem evento marcado para maio que já foi transferido para outra data”, afirma Arquimedes Gonçalves.
 
Os prejuízos financeiros do coronavírus ao comércio de Campo Grande foram contabilizados em pesquisa da Fecomércio (Federação Estadual do Comércio): R$ 90 milhões.
 
 - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS